Você tem que ralar…

Tania Rubim

Você tem que ralar…

Gente, estou muito feliz em ver os comentários de vocês, isso mesmo, vamos nos unir, vamos juntos desfazer as obras do diabo, os tabus que rondam a vida de um filho de pastor. Juntos somos mais fortes. Vou continuar contando com a ajuda de vocês, pois quando há o seu comentário é como se vocês estivessem confirmando tudo o que está escrito e isso é muito bom, pois os que lerem, crerão, devido ao seu comentário. Arrebentou amigos…

Mas continuando o post anterior, o qual estive pensando toda a semana me lembrei de algo muito importante que o Israel e o Matheus escreveram no seus comentários também: a perseguição e preconceito.

Como vocês já sabem, a cobrança é grande, todos esperam de nós a perfeição de filhos, o exemplo a ser seguido e se não é assim, logo põem cara feia. E hoje vou falar dessas pessoas que julgam, criticam e exigem de nós algo que nem eles mesmos conseguiriam viver. E por quê digo isso? Porque conheço filhos que foram para a Africa com seus pais na época difícil e passaram fome, comiam apenas o que o povo levava para a igreja, e quando levavam… Mas vou deixar para os próximos post o testemunho dessas minhas lindas amigas. Então, será que essas pessoas que tanto criticam os filhos, conseguiriam suportar as lutas que já passamos? Ou pelo menos são exemplos em suas casas como esposas, filhas, em seu trabalho como boa funcionaria, ou pelo menos dão bom testemunho de cristã lá fora?

Outros querem fazer os filhos “aprenderem”, pois pensam que nunca passamos por nada, nunca sofremos na vida, que por não conhecermos o mundo não sabemos de nada e temos que  “ralar”. Já passei por isso e já vi muitos querendo ver os filhos de pastores que queriam fazer a obra ter que passar por momentos difíceis para “aprenderem”, pois como sempre tiveram “vida boa”, vão aprender agora. Que triste ouvir isso, não é mesmo? Quando eu era obreira, a perseguição vinha pelas escalas de obreira. Naquela época, na catedral, chegávamos e nos reuníamos antes das reuniões para então nos escalarem onde iriamos servir. O que mais eu ouvia era o seguinte: “Aqui não tem essa de filha de bispo não, você é igual a todo mundo e por isso vai ficar na sala das obreiras, vigiando.” Ou “vai ficar no berçário, escolinha…” justamente nas reuniões do bispo Macedo e até na vigília da virada do ano!! Se eu fosse igual a todas as demais, então porque eu não ficava no salão? Mas amém, fui fiel e Deus me honrou. Me lembro também que antes de eu ir para a Catedral ser obreira, eu era obreira em outra igreja, perto da minha casa, lá tinha um pastor que pensava como mencionei acima e ele sempre me mandava ir lavar o banheiro, todo sujo de… e me dizia: “Não quero saber quem você é, vai lavar o banheiro.” Eu obedecia de coração, fazia para Jesus e não deixei essas coisas sujarem o meu coração. Eu queria servir a Jesus e agradá-Lo, sabia que um dia Deus iria mostrar para essas pessoas que nos tratam assim que não é como elas pensam… E olha só a oportunidade que Deus me deu aqui!! Não é glorioso??

Então, quero deixar um recadinho a TODAS as pessoas que pensam que os filhos de pastores devem “ralar” mais que os demais, devem “aprender” pois não sabem nada porque nunca sofreram na vida e etc. Nossa vida é de sacrifício desde que nascemos. Não conhecemos o mundo, é verdade, mas Deus se encarrega de nos ensinar o que não sabemos através de lutas diferentes. Não sofremos no mundo e não tivemos que lutar contra o diabo que poderia estar agindo em nossas vidas com vícios, prostituições e etc. Mas lutamos com algo muito pior: a nossa própria carne. Cada pessoa passa por uma luta diferente, e é Deus que se encarrega de nos ensinar como ELE bem entende. Não julgue ninguém, pois não sabemos o que se passa na vida das pessoas. Aprenda a ter bons olhos para com os filhos, se não dão bons exemplos, se estão envergonhando o nome de Jesus, podem ficar tranquilos que Deus vai se encarregar deles. Olhe pra você, para a sua vida e não critique a ninguém. Lembre-se de D Cristiane Cardoso, ela também é filha, nunca conheceu o mundo e é um grande exemplo para todos nós…  Vigiemos, para não sermos injustos.  E você que é filho, quais foram as suas maiores perseguições por ser filho dentro da igreja? Conte-nos suas experiências, vamos ajudar aos demais. Conto com vocês.

Deixo aqui um versículo para que meditem:

Contudo dizeis: Por que não levará o filho a iniqüidade do pai? Ora, se o filho proceder com retidão e justiça, e guardar todos os meus estatutos, e os cumprir, certamente viverá. A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho, A justiça do justo ficará sobre ele, e a impiedade do ímpio cairá sobre ele.” Ezequiel 18:19,20

Que Deus os abençoe muito.

Many Kisses

Juliana Furucho

Meu nome é Juliana Furucho. Sou casada com um homem de Deus há 12 anos, e sou também, filha de bispo. Estarei compartilhando com vocês minhas experiências de filha de pastor e também o privilégio de sê-lo


Comments (9)
  • Avatar

    Carol Oliveira Nov 12 2013 - 7:59 am Reply

    Olá dona Juliana, lembro que quando eu criança era muito bagunceira assim como qualquer outra, e algumas obreiras brigavam sempre comigo, não eram todas que faziam isso, mas as que faziam diziam que eu tinha que dar sempre o exemplo por ser filha de pastor eu não podia fazer nada que elas já brigavam, lembro que não foram poucas as vezes que as outras crianças bagunçavam mais do que eu e elas brigavam só comigo, percebi essas cobranças desde criança e eu também não entendia muito bem. Atualmente a maior cobrança não é na igreja e sim no meu trabalho, pois lá todos sabem que eu sou da Universal e filha de pastor, então percebo que eles sempre estão me vigiando…kkkk as minhas atitudes o meu modo de falar e muuuitas outras coisas, não é facil,porque eles vivem me fazendo perguntas sobre a minha vida e a vida dos meus pais, mas estou firme e tenho a certeza de que tenho dado bons testemunhos dentro e fora da igreja!!!

  • Avatar

    Brennda Medeiros-TO Nov 12 2013 - 9:43 am Reply

    Bom dia Dª Juliana!

    Nossa, não me canso de ler repetidas vezes estes 2 post que a senhora postou falando sobre nossas vidas como filhos. É realmente uma verdade.
    As perseguições que sofri, foram variadas,mais a que durou por mais tempo foi com relação a vida sentimental.
    Eu não era como as ouras garotas do colégio do tipo namoradeira e muito menos andava com garotos. Por causa disso, muitos me chamavam de lésbica,sapatão,crentinha,santinha, filha de bandido..e por aí vai.
    Já me mandaram provar pra todos no colégio que eu gostava de homem ficando com um deles, e que se eu não o fizesse, seria comprovado que eu era uma filha de pastor lésbica.
    Bom… para eles “ficou comprovado que eu era”. Mais dentro de mim, eu sempre soube quem eu REALMENTE ERA. ERA DIFERENTE…ERA DE DEUS.
    Fui zuanda, massacrada, humilhada no colégio a ponto de dizerem que eu mudava muito de escola porque meu pai estava fugindo da policia.E mesmo assim, me mantive firme e reta perante DEUS. E ELE me honrou.
    Essa só foi a pontinha do preconceito e da perseguição que eu já enfrentei.
    E digo mais: Vale TOTALMENTE A PENA perder a razão perante o mundo e ficar limpa e com razão perante DEUS.

  • Avatar

    Gabriela Reis Nov 12 2013 - 10:52 am Reply

    Ju,

    tudo que você falou é pura realidade. Uma coisa interessante é que até mesmo a pessoa com quem decidimos namorar ou casar, também sofre esse preconceito por casar com filha de pastor.

    Estava conversando isso ontem com minha Sister, que muitos olham o meu rostinho bonitinho mais não sabem o quanto já sofri.

    Beijinhos Ju!

  • Avatar

    Larissa Santos Nov 12 2013 - 2:29 pm Reply

    Estou passando por isso nesses ultimos meses, meu pai está em uma sede do bairro, só que como trabalho na catedral não dá tempo de ir para a igreja onde meus pais estão, então comecei a me envolver com os grupos que tem na catedral, e recentemente o Pr. responsável pelo FJU me colocou de lider de uma tribo, que por coisncidencia só tem mulheres, são oito mulheres que cuido, então elas tem um preconceito enorme comigo, falam ” ah voce só tem 16 anos, oque quer me ensinar?” ” você é só uma filhinha de pr mimada, não sabe nem metade do que eu passo” sabe no começo eu ficava muito mal com isso e me perguntava porque Deus me colocou ali? Será que foi só para eu me sentir humilhada? Mas não lembrei que nenhuma folha cai da arvore se nao for da vontade dEle, então nem ligo para o que elas falam, procuro mostrar com minhas atitudes, que sou uma mulher de Deus, e que se Ele me colocou na liderança foi porque Ele viu que eu posso ajuda-las.

  • Avatar

    Dayane Santos Nov 17 2013 - 5:51 pm Reply

    Realmente a muitos preconceitos com relação aos filhos de pastores.

  • Avatar

    Claudia Nov 25 2013 - 5:17 pm Reply

    Muito legal :) Gostei muuuuuito :)

  • Avatar

    Odete Nov 26 2013 - 12:14 am Reply

    É que tem pessoas que não entendem que os filhos dos pastores também passam perseguições que nāo sāo bonecos de porcelana.

  • Avatar

    Maiara Apr 3 2014 - 11:51 am Reply

    muito forte! lembro-me de um acontecido quando mudamos de cidade. eu tinha 5 anos e ia ser meu primeiro ano na escola. minha mãe sempre foi atenciosa e me ensinou o alfabeto e a ler e escrever pequenas frases e nomes, (ela tentava suprir a ausência do meu pai, ele não tinha auxiliar então era bem ocupado), mas na escola eles também iriam ensinar apenas isso, mas minha mãe achou que eu iria aprender mais. resumindo minha professora do pré-escolar me trancou na sala de aula durante uma manha inteira por afirmar que “eu me achava”, que por ser de cidade grande e ter os pais como “algo” da igreja, eu era mimada e patricinha e iria contaminar as outras crianças, até parecia que eu tinha uma lepra, absurdo, mas graças a Deus meus pais e eu usamos de sabedoria e tudo ficou bem. mas as perseguições e as manias que as pessoas tem de nos “concertar” é constante!

  • Avatar

    Letícia Apr 3 2014 - 12:30 pm Reply

    OI, sou filha de obreiro, mas como estou na igreja desde os 2 meses de idade, sempre foi isso que vi e uovi as pessoas falarem dos filhos de pastor. Até em uma reunião um bispo disse que fosse preciso era para as obreiras que são educadoras darem um “banho” de óleo no filho de pastor, por que eles tinham que darem o exemplo mais do qualquer um. E realmente não é fácil ser filho, creio que eles também são escolhidos por Deus para serem filhos, não é qualquer um que suportaria( nem sei se eu suportaria).

Leave a reply

Name (required)

Website