Category archive - Testemunho

Tania Rubim

Vivia uma mentira, para aparentar que era feliz

Vivia uma mentira, para aparentar que era feliz

Um dia eu  também me achei sem valor algum, e tudo começou  ao saber que havia nascido  em um lar totalmente destruturado, que era fruto de uma união livre, e soube que a minha chegada não havia sido planejada pelos meus pais.
Devido a essa condição em que eu nasci, não tive a oportunidade de conhecer meu pai, e muito menos conviver com minha mãe. Read more


Testemunho de uma esposa de pastor:

Testemunho de uma esposa de pastor:

Sou gaúcha, nasci no interior do RS, numa cidade de pouco mais de 4 mil habitantes, descendente de italiana; morei no campo até os 16 anos. Saí de casa com minha irmã, quando esta saiu pra fazer faculdade em uma cidade maior.

Na minha adolescência passei por inúmeros problemas e conflitos interiores; aos 11 anos de idade eu já passei por uma depressão; fiquei por cerca de 1 ano me alimentando só de líquidos, tudo para mim tinha que ser batido no liquidificador, pois sentia a minha garganta trancar e tinha uma sensação que ia morrer; fiz exames, meus pais me levaram a diversos lugares, mas não tinha nenhum problema físico que impedisse a passagem do alimento, meu problema era espiritual. Quando melhorei disso, descobri que tinha um problema de coluna, uma escoliose torácica e lombar. Fiz fisioterapia por dois anos, duas vezes na semana, mas ao final destes dois anos, o problema se agravou muito ao ponto do médico sugerir uma cirurgia na coluna. Isso eu já tinha 16 anos. Meus pais buscaram uma segunda opinião e aí entrei com um novo tratamento; fisioterapia duas vezes na semana e uso de colete ortopédico, por cerca de dois anos. Eu só tirava o colete para tomar banho. Era horrível, ele se estendia do pescoço até o quadril, às vezes formavam feridas no quadril, pelo colete ser de material duro. Sem falar em como eu me sentia, diferente de todo mundo, uma adolescente que chamava a atenção por onde ia, na escola era motivo de piada. Eu me sentia péssima, insegura, com a auto estima lá em baixo. Além disso, comecei a viver meus primeiros problemas sentimentais; gostava de quem não me amava, enfim, achava que nunca ia encontrar alguém que eu amasse e que me amasse também. Vivia momentos depressivos, onde chorava sozinha no meu quarto, pensando em morrer. Quando estava nas festas com amigos, bebendo, eu me sentia feliz, mas quando chegava em casa batia um vazio no meu coração.

Em Fevereiro de 2002, eu e minha irmã nos mudamos para Erechim, pois passei no vestibular para enfermagem. Foi nesse mesmo mês, que entrei na Igreja Universal pela primeira vez, uma tarde quando estava no centro passei em frente a IURD e resolvi entrar. Um obreiro me atendeu e eu retornei para participar da reunião na outra quarta-feira. Lembro que nesse dia o pastor chamou o povo na frente do altar para buscar a presença de Deus, e eu chorei toda a busca. A partir daí me lancei mesmo. Passei a frequentar mais e mais, a evangelizar, e Deus foi curando minhas feridas, foi preenchendo o meu coração com a presença dele, então fui batizada no Espírito Santo em Junho. Logo tive o desejo de ser obreira, para poder ajudar as pessoas assim como eu fui ajudada. No dia 04 de setembro do mesmo ano, eu fui levantada obreira. Até então ainda não tinha o desejo de servir no altar, pois fazia faculdade e tinha projetos pessoais para mim.

Quase um ano depois de estar como obreira, eu passei a me dar mais e mais na obra, e os meus projetos pessoais já não existiam, tudo o que eu queria era servir a Deus, fazer a obra Dele, dedicar minha vida a servir. Passou mais ou menos um ano, e em Setembro de 2004, conheci o Emídio, hoje meu marido. Ele era já era pastor e foi algo tão abençoado que em Junho de 2006 casamos, depois de um ano de namoro.

Eu apresentei meu trabalho de conclusão de curso na semana que casei. Deixei tudo, para me dedicar 100% na obra de Deus, mudando de cidade de tempos em tempos, com o objetivo de servir, de ajudar as pessoas que chegam até nós.

Neste ano de 2011 vamos completar cinco anos de casados, um casamento feliz e abençoado. Vivemos para servir, vivemos na dependência de Deus. E o que me deixa mais feliz é poder ajudar as pessoas, é ver vidas sendo restauradas, pessoas tendo um encontro com Deus. É saber que de alguma forma somos usados para levá-las a Deus.

Eliza Baldissera de Matos

Atualmente em Estrela- RS


Testemunho de uma leitora:

Testemunho de uma leitora:

Olá Dona Tânia Rubim,

Sou leitora do seu blog, amo suas mensagens e me identifiquei com esta postagem, resolvi escrever a minha experiência.

Meu Nome é Adriana Azevedo, tenho 26 anos, sou casada com Oscar.

Cheguei na Igreja Universal pelo motivo, da vida sentimental. Um dos maiores motivos das jovens do mundo todo.

Eu tive alguns relacionamentos frustrados antes dos 19 anos de idade. Era muito infeliz, depressão, muitas pessoas diziam; mas você é tão jovem,

tem a vida pela frente!! Aí que aumentava minha tristeza, pois pensava, meu Deus, então, terei mais anos sofrendo com relacionamentos fracassados, traição, etc…Até que no fim do poço, não aguentava mais ser traída, enfim…

Resolvi deixar Deus agir no meu coração, e comecei a fazer, a vontade Dele! Cheguei na IURD, busquei minha libertação, me batizei, entrei para grupo de evangelização, e o desejo de fazer a Obra de Deus como obreira era prioridade. Me dediquei, não queria saber da minha vida sentimental, sem ansiedade, pois pensei: Este foi o motivo que me trouxe, este pode ser o motivo que irá me afastar de Deus, no tempo certo, eu pensarei no assunto.

Depois de um ano e pouco, já estava de obreira. Comecei então a fazer propósitos pelo minha vida sentimental. Falei para Deus, meu primeiro namorado será meu esposo, e ele virá de longe! Fui para Caravana de Israel, e lá no Monte Carmelo orei a Deus. Pedi que Deus envia-se meu futuro esposo quando eu volta-se para Porto Alegre- RS. Dois meses depois, meu marido apareceu na minha frente, e tive certeza que era ele, quando ele falou que tinha vindo de Pernambuco, a confirmação. Pois á distância de Porto Alegre- RS, para Pernambuco – Recife é Grande! Depois de alguns meses começamos a namorar, noivamos, casamos, hoje estamos juntos a 4 anos, muito feliz e realizada. Deixamos tudo, para fazer a Obra de Deus no altar. E a cada dia, mais e mais feliz por ter um casamento impecável. E realizada servindo ao Meu Senhor Jesus. Hoje paro e penso; Achei que nunca iria ser feliz. Mas, é Deus que escolhe a nossa outra metade, é só fazer a vontade Dele e deixá-lo agir.

Deus lhe abençoe Grandemente.

Beijinhos

Adriana Azevedo.

Erechim – RS


Eu voltei-parte 3

Eu voltei-parte 3

(ultima parte do testemunho da minha irmã)

Ganhamos coragem e fomos num domingo a igreja, logo senti algo como se Deus me tivesse dito: voltaste para o lugar certo e nunca mais vos deixarei sair e a Glória da segunda casa vai ser maior que a primeira.

Começamos a ir sempre ás reuniões e tudo renasceu dentro do nosso coração muito rapidamente, Deus havia apagado por completo nosso passado, e nosso objectivo era que Deus viesse a restituir tudo que havíamos perdido.

Isso finalmente começa a acontecer, nasceu em nós o desejo de voltar a servir, e que Deus nos levantara para fazer sua obra. Já com nosso interior restaurado entregamos nas mãos de Deus nosso sonho de ter um filho, até essa dor Deus havia curado, nosso amor por ele não estava mais sujeito ao que Ele nos podia dar.

Em Junho de 2009 na campanha de Israel sacrificamos o nosso tudo pelo sonho e o que era impossível acabara por acontecer, ao final de 13 anos de casada engravidei, fiz o voto em Junho de 2009 e em Outubro engravidei, e em Junho de 2010 o meu filho nasceu.

Que tremendo é o nosso Deus , Ele não falha.

Devemos conquistar financeiramente pois é nosso direito e nossa herança sem nunca colocarmos isso em primeiro lugar é claro. Nunca em alguma circunstancia devemos deixar a Deus e também a igreja pois é muito mais fácil nos levantarmos dentro dela do que fora.

Agradecimentos :

Agradeço ao meu amado Deus que não desistiu de nós e que sempre pode contar connosco para realizar seus projectos, eis-nos aqui.

Á minha amada irmã Tânia que nunca deixou de orar por nós e sempre acreditou que um dia voltaríamos, e que apesar de na altura que foi servir o Senhor integralmente eu não a tivesse apoiado, pois via a ida dela dolorosa demais para mim mas que nunca desistiu da sua decisão deixando tudo pelo Senhor, hoje te compreendo perfeitamente e me sinto pronta para tudo o que Deus me pedir, foste um exemplo para mim e ainda és. Te amo minha irmã querida és uma pérola preciosa, tua essência é aquilo que mais me atrai, es linda por fora mas muito mais por dentro.

A este casal amigo tão usado por Deus na hora certa ,que Deus vos retribua com toda a sorte de bençãos.

Hoje com 15 anos de casada e um casamento abençoado quero agradecer ao meu marido que tanto me atrai pelo seu coração totalmente entregue a Deus um verdadeiro homem de Deus, que nunca me desamparou mas sempre manteve sua chama por mim forte e que também nunca deixou de amar ao Senhor pois em seu intimo sua alma chamava por Deus e o amava.

Á minha mãe e aos meus sogros que haviam se afastado da igreja, mas hoje estão todos lá novamente, após eles mesmos terem também passado por um tempo de reencontro com Deus da mesma forma que nós.

E para minha alegria meu cunhado que estava afastado há muitos anos este mês voltou para a casa de Deus.

Deus esta restituindo e pondo tudo no seu devido lugar pois Ele é um Deus de ordem.

À igreja universal do Reino de Deus pela ousadia, força e perseverança que nos leva a chegar ao coração de Deus, hoje entendo porque tudo isso Deus forjou nosso carácter, nos levou a um nível mais profundo de intimidade com Ele e nos ensinou a verdadeira humildade, e que nada nos separa do seu grande amor.

Que Deus te abençoe!

Catia Costa


Eu voltei-parte 2

Eu voltei-parte 2

Não me envergonho em dizer que fiquei sem forças, me sentia sozinha, como se não houvesse ninguém mais que me pudesse ajudar, pensava eu muitas vezes que se pelo menos minha irmã estivesse aqui comigo, pois nessa altura ela já tinha ido à algum tempo fazer a obra no altar para outro lugar longe de mim.

Fiquei muito revoltada pois queria que a minha irmã que fora sempre o meu maior amor e minha confidente estivesse mais por perto, o problema foi que não soube lidar com a situação e ao invés de ir para os pés do Senhor, endureci o meu coração. Nossa ignorância às vezes é tão grande que pensamos que Deus precisa de nós para alguma coisa, quando na realidade nós é que estamos totalmente dependentes Dele. Nesta altura também não sendo mais obreira pois tinha consciência que não poderia fazer a obra assim com o meu coração desta maneira.

Sentia-me a pior das criaturas pois não era aquilo que havia almejado. Tive alguns problemas no meu casamento não que o nosso amor estivesse esfriado, graças a Deus isso nunca aconteceu mas já não pensávamos da mesma maneira.

Longe de Deus, longe da igreja, com os nossos corações machucados com nós mesmos pois nos custava perdoar a nós próprios pois estávamos a passar por tudo aquilo por nos termos desviado do caminho e o preço estava a ser muito alto, mal sabíamos que não acabava aqui pois desejávamos muito ter um filho e quando recebo a noticia que não poderia ter, caiu-me o mundo ao chão e pensava que tudo estava perdido, não estava a fazer o que mais amava que era servir o Senhor Jesus e como se não bastasse não podia ter filhos, bem, o meu coração já não tinha sentimentos virei uma pedra de gelo parecia que este deserto não tinha mais fim.

Minha querida irmã sempre me ligava e escrevia para eu voltar para o Senhor, ela foi incansável comigo e eu depois de ouvi-la chorava e em todas as cartas me derramava, mas a dureza do nosso coração não permitia por falta de maturidade espiritual , mal sabíamos que estávamos a prolongar mais o nosso deserto.

No fundo do meu coração havia uma saudade tão grande da presença de Deus e pela igreja, mas infelizmente não tinha forças para voltar, mas o que hoje me alegra é que Deus viu e ouvia o gemido da minha alma ainda que estivesse tão fraca, Ele diz em sua palavra que antes da palavra nos chegar á boca Ele já a conhece e sabe o que vamos dizer, que Deus tremendo que nos ama tanto e nunca desiste de nós!

Mas um dia já no fundo do poço pensei: – não vou ficar prostrada o resto da minha vida, orava a Deus por sua misericórdia e clamava com sinceridade, então comecei a falar com o meu marido das saudades imensas que tinha da vida com Deus, ele no inicio sempre ficava apreensivo, mas eu só pensava para mim mesma: não vou desistir vou voltar e vou ganhar de novo meu marido para Jesus.

Não foi fácil mas o meu amado Deus arrumou uma estratégia para nós:

Um casal amigo nos encontrou num dia comum enquanto passeávamos, já não nos víamos há anos, eles são cristãos e em conversa nos perguntaram como estávamos no nosso relacionamento com Deus, imediatamente baixamos nossas defesas e nos abrimos com eles, eles usados por Deus e cheios de amor nos levaram de volta para os braços de Deus, não foi fácil havia muito no interior para ser moldado e muitas feridas na alma cujo o tratamento só Jesus podia fazer, mas pouco a pouco fomos nos levantando e restabelecendo.

Nosso reencontro com Deus foi tremendo, logo começamos a voltar aos princípios que sabíamos agradar a Deus, pondo os nossos dízimos diante de Deus a fim de sermos fieis a Ele pois estávamos determinados a lhe agradar e de facto estávamos tendo de novo as nossas experiencias com Deus, até que um dia e depois de todo este processo que ainda durou uns anos nasceu o desejo de irmos á Igreja Universal, voltar ao lugar onde tudo começou com Deus e de onde nunca deveríamos ter saído.

continua…


Eu voltei-parte1

Eu voltei-parte1

“A minha irmã Catia me mandou seu testemunho e gostaria compartilhar com vocês. Vou publicar em três partes pois é um pouco longo.”

Meu nome é Catia, posso afirmar que o meu testemunho é muito forte.

Quando cheguei na igreja universal por convite da minha mãe era ainda muito jovem, era uma pessoa bastante problemática, estava cheia de medos, não conseguia dormir sozinha enfim, sentia um vazio enorme dentro de mim chegando até a me refugiar em alguns vícios, tinha muitos amigos, ia a muitas festas mas não havia forma desse vazio ser preenchido.

Sempre fui boa aluna na escola, na altura estudava num dos melhores colégios particulares do Porto, até que quando fiz 15 anos pedi ao meu pai para que me deixasse ir para uma escola publica uma vez que no colégio éramos muito controlados, meu pai aceitou, mas foi nesse ano que fui ao fundo do poço, pois me envolvi com as piores companhias, cheguei mesmo a reprovar por faltas.

Desde então meus pais, principalmente meu pai tinha muita dificuldade em lidar comigo pois me tornara uma jovem totalmente rebelde e revoltada, ninguém mais conseguia controlar-me, o meu interior estava uma desordem, minha mãe aflita e desesperada correu para todo o lado comigo gastando muito dinheiro, mas nada adiantava pelo contrario ainda me sentia mais revoltada, tinha momentos em minha vida que só desejava a morte e dizia mesmo à minha mãe que qualquer dia me mataria só me apetecia desaparecer de tudo e de todos. Até que um dia fui com a minha mãe à igreja Universal, nunca me esqueço dessa quinta-feira; lembro-me de ter sido tocada no meu interior logo pensei que finalmente encontrara o meu caminho, depois desse dia sempre queria ir às reuniões, comecei a frequentar os domingos para buscar a presença de Deus e pouco a pouco comecei a ser liberta, finalmente os meus medos e traumas estavam totalmente ultrapassados, comecei a dar meus primeiros passos na fé e a abrir meu coração.

Passado algum tempo nasceu em meu coração o desejo de servir a Deus podendo dar aos outros aquilo que eu mesma recebi. Continuei tendo meu encontro com Deus, minhas experiencias, até que fui convidada a servir na igreja; foi um dia muito feliz em minha vida pois algo de novo começava a fluir no meu interior.

Meus pais começaram a ver uma total transformação na minha vida. Tudo começou a mudar, o tempo foi passando e sem pressa alguma de conseguir namorado mas sempre orando para que Deus pusesse o homem certo no meu caminho cujo objectivo fosse servir o Senhor, e me completasse como pessoa. Penso que foi pelo facto de não estar ansiosa que logo essa pessoa apareceu em minha vida. Não comecei logo a namorar, fiz primeiro um propósito com Deus pois estava consciente que seria para toda a vida e não poderia falhar. Assim Deus confirmou meu voto e com a bênção do Pastor local começamos a namorar, ele fazia a obra como eu mas já era obreiro a bem mais tempo do que eu. Passado um ano nos casamos e tudo estava indo muito bem, continuamos a servir, mas o meu marido tinha o desejo de servir no altar e disse que no dia que conquistasse tudo o que queria logo largaria tudo e iria , pois isso então aconteceu mesmo, tínhamos uma casa super boa numa zona conceituada, um bom carro, uma moto aquática, sempre íamos viajar para bons hotéis, frequentávamos bons restaurantes, enfim o Senhor estava cumprindo a parte dele pois não falha mas meu marido não cumpriu com a sua pois havia conquistado tudo mas não largou para cumprir o chamado que tinha dentro dele como antes dissera, sua visão já não era mais a mesma, quase não tinha tempo para fazer a obra até que decidiu sair porque não estava sendo um obreiro aprovado.

Confesso que passei por momentos angustiantes pois continuava sendo obreira sozinha até que comecei a deixar a tristeza entrar pois foi como se o meu castelo se estivesse a desmoronar. Ia à igreja sozinha, ás vigílias também, enfim não era isso que tinha sonhado. Até que não sei como, da noite para o dia perdemos tudo que havíamos construído com tanta luta.

continua…


Luz no fim do Túnel (Continuação do artigo anterior)

Luz no fim do Túnel (Continuação do artigo anterior)


Ademais dos problemas familiares eu ainda tinha meus próprios tormentos.

Embora meus pais sempre fossem maravilhosos comigo, cresci vendo seus problemas no casamento e acho que isso fez de mim uma criança insegura.

Era muito tímida, não gostava de ser o centro das atenções, muito menos falar em publico.

Na escola sempre tive amigas, mas gostava mais de escutar do que falar.

Fui crescendo e com isso desenvolvendo um complexo muito grande, eu era muito magricela, então não gostava disso, queria ser igual a todas as minhas amigas.

Eu tinha roupas bonitas, mas sempre achava que elas eram mais bonitas e eu a esquisita, pela minha magreza.

Quando tinha aula de Educação Física, aquilo para mim era a morte, ter que trocar de roupa em frente a elas me dava muita vergonha. Quem já sofreu algum tipo de complexo sabe do que estou falando.

Alem de todo este drama, era triste, e sentia um vazio por dentro como se me faltasse algo, não tinha explicação.

Era uma menina sonhadora, gostava de escutar musica e ficava imaginando um mundo de sonho e fantasia, meu príncipe encantado, a família perfeita.

Para piorar quando fiz 16 anos o medico detectou que estava com diabetes, aquilo foi uma bomba, meus pais se desesperaram eu chorava, não entendia porque eu tão jovem tinha que passar por tudo aquilo.

Apesar de tudo nos éramos uma família unida, meus pais eram presentes, minhas tias sempre estavam por perto, tínhamos muitos primos, mas esta noticia parecia sair do nosso controle, era algo grave.

Ainda que éramos religiosas não tínhamos idéia de como sair desta situação, não sabíamos nada da fe, da palavra de Deus, estávamos sozinhos, sem solução. Era como um túnel escuro e sem saída.

Naquela época uma vizinha falou a minha mãe da Igreja Universal, a igreja dos milagres, dizia ela.

A necessidade de um milagre era grande, haviam muitas coisas que resolver, o relacionamento de meus pais, o nervosismo de minha mãe por suas inquietudes, a minha enfermidade, os medos de minha irmã, poxa como um milagre vinha bem nesse momento.

Então decidimos e fomos as três a igreja, por primeira vez numa quinta-feira.

Me lembro que desde o primeiro dia que entrei na igreja senti algo diferente. Senti que Deus me recolheu e que ali era o meu lugar.

Parece que por fim tinha encontrado quem busquei toda a minha vida, o Senhor Jesus. Me apaixonei por Ele desde o primeiro dia.

Começamos a ir mais dias na igreja, fazíamos as correntes de oração e Deus começou a manifestar-se em nossas vidas.

Minha mãe foi curada, seu casamento foi sendo transformado, meus pais cumprem em Agosto 37 anos de casados, minha irmã se libertou, eu fui curada dos diabetes, o vazio que sentia já nem lembrava mais dele, Deus ocupou cada espaço, os complexos foram desaparecendo, enfim, eu nasci de novo.

Agora sim podia sonhar de verdade, meus sonhos tinham fundamento e através da minha fe todos poderiam ser realizados.

Me entreguei a Deus por completo e depois de quase dois anos na igreja tive meu encontro real com Deus, isto veio completar a minha felicidade e fazer de mim uma pessoa diferente.

Comecei a sentir um desejo enorme de ajudar outras pessoas, fazia parte do grupo de Evangelização e logo fui levantada como obreira.

Mas o desejo aumentava a cada dia pelas coisas de Deus, e senti o Seu chamado para servir no Altar, nada mais do mundo me interessava, meus projetos eram todos voltados para a obra de Deus. Eu não me imaginava fazendo nenhuma outra coisa.

Quando fiz 20 anos me casei com um homem de Deus maravilhoso e tenho o privilegio de servir a Deus no altar já por 14 anos.

Se você esta num túnel escuro e sem saída, creia no Senhor Jesus, Ele é a sua luz no fim do túnel.